Carregando... Aguarde...

Departamentos

Newsletter


O Mestre e a Margarida - Mini Série 3 DVDS - 10 Capto. RARÍSSIMO

  • Imagem 1
Preço:
R$ 59.99
Peso:
100 Grams
Qualificação:
( )
Entrega:
Pagamento:
Indique:



Quantidade:


Descrição do produto

 

Dos romances russos do século XX, a obra-prima de Mikhail Bulgákov, O Mestre e a Margarida, é considerado um dos melhores, talvez, o melhor romance do século.

     O livro narra a chegada e a breve permanência de Woland (o diabo) e seu séquito (Behemoth, um grande gato preto que adora vodka, xadrez e armas de fogo; Korôviev, um grande negociador com um pincenê rachado e roupas apertadas; Azazello, um ruivo com um canino à mostra e um olho vazado, e Hella, uma jovem totalmente nua, ruiva e com olhos ardentes e fosforescentes) à Moscou stalinista de 1929.

     A partir da chegada dos demônios, tudo se torna um inferno. Coisas estranhas e aparentemente impossíveis começam acontecer por todos os lados da capital e cidades adjacentes: notas de dez se transformam em abelhas e papel picado, roupas desaparecem do corpo, um terno vai trabalhar sem o seu dono dentro, uma repartição pública inteira canta incontrolavelmente uma música folclórica russa, além de inúmeros casos de insanidade mental (individual e coletiva). Todo aparatum soviético, das artes à política econômica, é criticado pelo autor. Tudo é reinventado nas linhas do livro.


     Paralela à história principal, há uma outra, de um livro dentro do livro, escrito pelo Mestre. Trata-se da história de Pôncio Pilatos, ambientada na Jerusalém do ano 29 d.C.. Essa história recria toda a trajetória de Jesus, do julgamento perante o Sinédrio, até a sua crucificação, mas a exposição de Bulgákov está longe de se alinhar à história bíblica (um dos motivos da polêmica em relação ao livro, inclusive, acusado por muitos religiosos de ser uma obra satanista).

     O livro é de tal alcance universal que influenciou criações como a música Sympathy for the Devil (Rolling Stones), Pilate (Pearl Jam), Love and Destroy (Franz Ferdinad), e deu nome à banda polonesa Behemoth. Em 2005, o diretor Vladimir Bortko adaptou a obra para a TV russa, em uma minissérie de dez episódios, produzida pela Goskino Company.

     A Primeira Parte da série (Episódio 1), trabalha os três primeiros capítulos do livro: Nunca falem com estranhosPôncio Pilatos e A sétima prova. O espectador é apresentado aos protagonistas (um crítico literário e um poeta, membros da MASSOLIT – Literatura de Massa) já a partir de um diálogo que nega as Sagradas Escrituras:


Veja... o que está escrito nos Evangelhos nunca aconteceu. […] O que eu quero mostrar é que Jesus simplesmente nunca existiu nesse mundo. […] Não há uma única religião Oriental na qual, como norma, uma virgem imaculada não dê à luz a um deus. Assim, sem inventar nada de novo, os cristãos criaram Jesus […].



     Tal qual na obra de Bulgákov, o diretor Vladimir Bortko deixou o ambiente herege bem fecundo para que o diabo se interessasse pelos desinteressantes literatos, e pedisse para sentar-se junto a eles e partilhar da conversa, afirmando, ele próprio, que Jesus existiu sim, e narrando detalhes vívidos da conversa entre o Procurador da Judeia, Pôncio Pilatos, e o acusado Jeshua Ha-Notzri, no palácio de Herodes, o Grande, “na manhã do décimo quarto dia do mês primaveril de Nissan...”.

     Para uma narrativa com tantos espaços cênicos, apenas uma alteração da realidade poderia trazer ao espectador a necessária força dramática de cada um deles, algo que Bortko resolveu com simplicidade e sem optar pelo caminho fácil da fusão em flashback: todos os acontecimentos reais em Moscou, são fotografados em sépia; já os acontecimentos fantásticos – como o Baile do Reis, onde convidados como Napoleão, Calígula e Leopoldo I dançam, embalados por uma orquestra regida por Richard Strauss – são plasmados em vivo colorido, assim como a versão da história em Jerusalém. Entretanto, vale dizer que a fotografia das cenas na cidade de Cristo possuem muito mais brilho, e é composta por muitas cores quentes nos figurinos e nas incidências diretas de luz. Para as mortes e as cenas de loucura, o diretor usou o marrom, o vermelho, o azul e o preto para colorirem os quadros.

     Embora o tema da série não agrade a todos os gostos, a adaptação de Bortko logra prender o espectador pela carga de absurdo que equilibra junto aos episódios ou cenas mais “sérias”. Há partes muito teóricas, especialmente as sequências que abordam a vida do Mestre, mas há momentos de pura ação, fantasia, humor negro e suspense, o que faz da minissérie um produto destinado a todos os gostos, equilibrando tendências e gêneros narrativos.


     Com um tema central tão incomum, seria normal que as atuações se aproximassem do estilo da “escola do ator excêntrico”, mas, ao contrário, o trabalho sério e muito emotivo dos atores da série acrescenta outros significados ao caos que ronda Moscou e à mesquinhez e covardia que rondam Jerusalém. Destacam-se o séquito infernal, o casal protagonista, e a personagem de Pilatos e Jesus Cristo, este último, por saber compor o silêncio através de expressões faciais muito inquietantes.

     A trilha sonora vai do clássico wagneriano ao místico das melodias produzidas em estúdio. Nas sequências muito dramáticas ou muito fantásticas, a música acompanha a imagem em crescendo, executando o papel de aprimoramento da atmosfera do episódio. Em outros momentos, a música é usada como canal de ligação entre cortes de cena e introdução a uma nova situação dramática. O uso do som direto não extrapola nenhuma convenção, mas não deixa a desejar.


     A partir do sétimo episódio é praticamente impossível ao espectador tirar os olhos da tela. A excelente adaptação de Bortko alcança níveis artísticos surpreendentes em se tratando de um produto feito para a televisão. Duas referências cinematográficas para a minissérie, estão muito claras: Peter Greenway, nos momentos antes de Margarida (ou Rainha Margot) entrar no apartamento nº50, quando ela mergulha no lago cheio de plêiades e nenúfares, sendo depois recepcionada por um fauno, ninfas e fadas; e Tim Burton, na gótica representação das ruínas, palco do Baile dos Reis. Desde o final do sexto episódio, uma série de acontecimentos macabros e fantásticos tomam o lugar da corriqueira realidade imóvel da cidade, e isso é transposto para a tela como um espetáculo expressionista de tirar o fôlego. Não há um momento na série que não seja bom. Os episódios menos movimentados são os de número quatro e cinco, mas por um claro motivo: o desenvolvimento de uma história que tomaria fôlego mais adiante.

     Para uma série de televisão, O Mestre e a Margarida supera todas as expectativas de qualidade artística e liberdade de conteúdo. Primeiro, porque o diretor não negou o caráter fantasmagórico ou fantástico do livro, e optou pelo caminho das artes plásticas, fotográfica e musical, para guiar sua adaptação.

     Quanto mais nos aproximamos do Epílogo, mais rigorosas e pomposas se tornam a composição das cenas, e quem ganha com isso é o espectador, que tem diante dos seus olhos um desfile primoroso de direção de arte e uma competente adaptação de um dos maiores livros da literatura russa contemporânea. Depois, porque o roteiro não se furta em ser chulo nas construções de frases coléricas, nem as personagens femininas dão muita atenção a roupas, o que enche de maior beleza as cenas. Assim como no livro, a nudez feminina é uma espécie de regra para as sequências fantásticas, e o clímax disso é o baile final, onde todas as mulheres estão nuas, e os homens, bem vestidos.


     A minissérie de Vladimir Bortko é uma das adaptações literárias mais bem sucedidas da televisão. Sua sensibilidade em trabalhar com o macabro, o humor negro e as peripécias demoníacas de Woland e seu séquito, resultou em um produto completamente diferente daquilo que temos no Ocidente (algo levemente parecido é a série Twin Peaks, de David Lynch e Mark Frost). No Epílogo, a poesia impera no escrupuloso trabalho interno das cenas, a começar pela maior duração dos planos. Todas as pontas começam a se amarrar, e muitos encontros acontecem: Mateus Levi e o diabo; Jesus, Pilatos e o cão Banga; o Mestre, a Margarida e o poeta Ivan Bezdômni; e então, a paz ou o Paraíso, que tanto esperavam.

     De uma inominável cena na Lua, até os delírios daqueles que saíram do hospício após a partida dos demônios de Moscou, o último episódio da série é um exemplo de coerência em realização televisiva, sendo todos os mistérios pontuados (não necessariamente respondidos, mas cheios de elementos que nos permitem dar múltiplas interpretações a eles). As perguntas da população são respondidas por um órgão do governo, que tenta dar explicações científicas aos atos sobrenaturais. Estas cenas, filmadas em 16mm, alternam-se com filmagens de julgamentos do período stalinista, e panorâmicas de Moscou no final do anos 1920 – realidade e ficção, história e construção crítica se encontram, tanto por parte da fonte literária, quanto do responsável pela atual adaptação . Ao fundo, podemos ouvir vozes gravadas em tapes radiofônicos, e o pronunciamento conclusivo é tanto uma crítica ao período da ditadura real-socialista, quanto uma ironia feita à mídia e à ciência, com suas respostas-para-tudo.


     A minissérie O Mestre e a Margarida foi um sucesso de audiência na Rússia, e muito elogiada pela imprensa – inclusive a Ocidental. A Goskino Company não poupou investimentos, e permitiu ao diretor Vladimir Bortko realizar um trabalho impecável. Os ótimos efeitos especiais e as finalizações, são uma prova disso. A série abarca quase todos os gêneros dramáticos, e se fixou como um dos melhores programas de curta temporada já exibidos na televisão de seu país, e não é para menos. Ninguém há de negar a excelente adaptação e as características autorais de Vladmir Bortko nessa série, “nem o assassino sem nariz de Gestas, nem o quinto procurador da Judeia, o cavaleiro Pôncio Pilatos”.


O MESTRE E A MARGARIDA (Master i Margarita, Rússia, 2005).
Direção: Vladimir Bortko.
Elenco: Anna Kovalchuk, Aleksandr Galibin, Oleg Basilashvili, Vadislav Galkin, Kirill Lavrov, Aleksandr Abdulov, Aleksandr Filipenko, Sergei Berzukov, Aleksandr Bashirov, Semyon Furman, Valentin Gaft, Aleksandr Adabshyan.
Legendado

Procurar produtos similares por categoria


Escreva seu próprio comentário para o produto

Comentários

Este produto não recebeu nenhum comentário até agora. Seja o primeiro e enviar um comentário para este produto!

Adicionar na lista de favoritos

Clique no botão abaixo para adicioná-lo O Mestre e a Margarida - Mini Série 3 DVDS - 10 Capto. RARÍSSIMO para sua lista de favoritos.

Você visualizou recentemente...